FASES DE PROJETO DE ARQUITETURA

O projeto de arquitetura desenvolve-se de acordo com etapas de progressão que acabam por ser milestones para chegar à obra concluída. Consoante a complexidade dos projetos e obra, poderão existir fases suprimidas de apresentação formal, mas a jornada para a elaboração de projeto de arquitetura passa sempre por um fio condutor que adiciona mais detalhe e pormenorização para chegar até à fase de construção.

O projeto de arquitetura corresponde à reunião de várias condicionantes e consiste no processo desde o pensamento e ideias do Cliente até à sua construção.

Um projeto para ser exequível carece de corresponder não só a questões regulamentares, como de funcionalidade e ergonomia.

Ao desenvolver o projeto de arquitetura, o arquiteto precisa considerar diversos fatores, incluindo as características do local (tamanho e forma do terreno, a topografia natural, a regulamentação local, as normas técnicas, a funcionalidade dos espaços, as exigências do programa, os utilizadores, a harmonia das formas, o conforto térmico e acústico, as técnicas construtivas e materiais usados, o custo de obras e a calendarização de obra.

Um projeto de arquitetura, conceitualmente, é formado por uma série de estudos, representações gráficas e desenhos técnicos criados com o objetivo de guiar uma construção ou remodelar um imóvel existente.

Ainda é muito comum depararmo-nos com construções e remodelações efetuadas sem o auxílio de profissionais qualificados, o que é um erro no planeamento de obra. Para um investimento elevado, com é a realização de obras e novas construções, a elaboração de um projeto de arquitetura é fundamental.

Para a spacelovers, o projeto de arquitetura é a atividade principal do gabinete de arquitetura, uma vez que é estruturante para qualquer obra, seja de construção nova ou reabilitação, ou remodelação de interiores.

PRECISA DE PROJETO DE ARQUITETURA ?

  • FASE 1

PROGRAMA PRELIMINAR — INFORMAÇÃO PARA DESENVOLVER O PROJETO DE ARQUITETURA

O programa preliminar é o arranque do desenvolvimento do projeto, onde é definido um conjunto de elementos e onde a informação é reunida pelo Dono de Obra, sendo posteriormente fornecida ao Autor do Projeto. Existe ainda a formalização de uma definição dos objetivos do projeto, necessidades funcionais, espaços e áreas afetas necessárias, condicionamentos financeiros, prazos de execução e outros elementos considerados relevantes;

Esta informação, que pode ser transmitida verbalmente num contacto inicial, servirá de base para o início do estudo a desenvolver e permitirá compreender as necessidades do Dono da Obra.

 

 

Projeto de Arquitetura Estudo Prévio

Planta de Localizacao

  • FASE 2

ESTUDO PRÉVIO — FASE DE CONCEITO DO PROJETO DE ARQUITETURA

O estudo prévio é a base do conceito arquitetónico onde se trabalha com a implantação, a massa, a luz natural, a forma e a funcionalidade.

Nesta fase são analisadas as informações de referência, como o levantamento topográfico e cadastral, sendo produzidas as informações técnicas: registos de visitas ao local, análise de arquivos cadastrais, volumes de obra existentes nas entidades licenciadoras, estudo do entorno e legislação aplicável, compreensão do terreno / local e as suas orientações e envolvente.

Como resultado deste exercício de projeto, são gerados os documentos técnicos, como os perfis de terreno, alçados de arruamentos com as edificações do entorno, um relatório escrito que consiste num documento das condições prévias do lote, condicionantes e restrições, classificações de espaço constantes no PDM e especificidades dos Regulamentos Municipais.

O estudo prévio é a primeira formalização do projeto de arquitetura.

Produzem-se vários elementos gráficos que substanciam as soluções formais de resposta aos requisitos e necessidades levantadas no programa preliminar. Normalmente o estudo prévio de um projeto de arquitetura integra (podendo sofrer alterações consoante o tipo de projeto):

— Levantamento do existente, plantas, cortes e alçados

— Enquadramento legal e normativo do prédio

— Relatório de condicionantes e enquadramentos com legislação em vigor aplicável (podendo integrar resumos de reuniões com técnicos de organismos competentes (por ex, CM, DGPC, etc)

— Soluções alternativas estudadas e justificação das suas vantagens e inconvenientes

— Proposta final com plantas, cortes e alçados

— Imagens 3D ilustrativas da proposta formal, onde se relaciona o novo edifício com a envolvente e espaços exteriores próximos

O estudo prévio permite debater as ideias com o Cliente e é a fase onde mais revisões à solução, uma vez que é a base da discussão da proposta a ser apresentada no pedido de licenciamento.

 

 

 

  • FASE 3

PROJETO BASE OU ANTEPROJETO — FASE PARA OBTENÇÃO DE LICENÇA CAMARÁRIA

O projeto base ou anteprojeto é a fase onde os documentos a serem entregues nas entidades licenciadoras competentes respondem rigorosamente a todos os elementos solicitados para sua aprovação, no que se refere à fase prévia à entrega dos projetos de especialidades.

Contempla ainda, para além das peças desenhadas do projeto de arquitetura:

— a memória descritiva;

— o plano de acessibilidades;

— plantas de localização;

— extratos das plantas de ordenamento;

— planta de condicionantes;

— planta do levantamento topográfico;

— mapa de medições;

— ficha estatística do INE;

— registo fotográfico;

— termos de responsabilidade;

— calendarização da obra;

— estimativa orçamental e

declaração de cumprimento do regulamento geral do ruído.

Esta fase de projeto de arquitetura é a fase que regista os desenhos para posterior levantamento do alvará de construção. Contudo, antes de ser possível, será necessário entregar os projetos de especialidades, que no processo de licenciamento poderão ser entregues (por opção) após o deferimento da arquitetura. No caso de optar por comunicação prévia, tem então de entregar as especialidades com a arquitetura.

As especialidades, consoante a complexidade do projeto, poderão ter de dar o seu ‘input’ durante a fase de estudo prévio / anteprojeto para garantir a viabilidade de construção.

Fases de Projeto de Arquitetura

Detalhes Projeto de Arquitetura

  • FASE 4

PROJETO DE EXECUÇÃO - DOCUMENTOS PARA CONSTRUÇÃO

Esta fase inicia-se aquando da aprovação por parte da Câmara Municipal e demais entidades licenciadoras dos diversos Projetos (Arquitetura e Especialidades). Idealmente poderá começar esta fase aquando da aprovação da arquitetura e fase desenvolvimento das especialidades, para garantir uma melhor coordenação entre os projetos.

Contudo, também será boa estratégia, se o tempo não for um requisito, avançar com esta fase apenas quando as especialidades estiverem também aprovadas.

O projeto de execução do projeto de arquitetura é apresentado sob a forma de peças escritas e desenhadas, onde a interpretação e compreensão do projeto tem de ser clara por parte dos diversos intervenientes na execução da obra e ainda para quem orçamentará a obra também. A sua materialização específica todos os trabalhos necessários para execução da obra (processos construtivos, materiais, carpintarias, etc.).

Garante ainda o processo de quantidades e tipos de trabalho para a execução, que informa os empreiteiros e assim consegue-se aferir o valor da obra por trabalho. O projeto de execução é uma fase muito trabalhosa para um gabinete de arquitetura — porque é nesta fase que todas as decisões são tomadas. Inclui não só a definição de materiais de revestimentos interiores, mas também a definição de detalhes construtivos que consomem várias horas de trabalho para compatibilizar as linhas arquitetónicas definidas em licenciamento com os requisitos das especialidades e sistemas, como das ‘interfaces’ de materiais de construção.

O projeto de execução é o culminar de um processo de desenvolvimento do projeto de arquitetura que consiste no guia para obra, que se seguido permite a correta execução em obra. Normalmente pode incluir:

— Planta de implantação

— Plantas, cortes e alçados

— Estudos tridimensionais

— Plantas, cortes e alçados de mobiliário embutido

— Cortes e detalhes construtivos

— Mapa de vãos exteriores e vãos interiores

— Outras pormenorizações e fichas de especificações (materiais e sistemas)

— Mapa de trabalhos e quantidades

Apesar de a fase de execução ser obrigatória para obras públicas (artigo 51.º do Decreto-Lei n.º 48 871, de 19 de fevereiro de 1969) é normal para projetos de menor escala, como moradias unifamiliares, não haver essa conduta.

Muitos donos de obra evitam a elaboração do projeto de execução do projeto de arquitetura por pensarem que os desenhos do projeto da fase de licenciamento são suficientes para construir e assim “pouparem” algum dinheiro, para a obra. Certamente que construir com os desenhos de licenciamento é suficiente, se pretender deixar nas mãos do empreiteiro as decisões que relacionam a qualidade da construção, assim como a personalização e o critério arquitetónico da obra.

As vantagens de elaboração de um projeto de execução são claras, a definição pormenorizada de um edifício ou moradia é o que garante que a sua construção é:

— Fiel ao projeto aprovado, absorvendo algumas alterações que sejam melhorias inequívocas e que os projetistas corroborem a sua compatibilidade com eventuais requisitos mínimos que sejam necessários cumprir;

— Contrariamente ao que se pensa, de modo geral, é o projeto de execução que garante economia em obra. Isto porque, é no início que todos os trabalhos e quantidades são orçamentados e negociados antes de assinar o contrato de empreitada. Durante a obra, quando são pedidos trabalhos adicionais, orçamentados à ‘posteriori’, geram, por um lado, erros e incompatibilidades com o projeto aprovado e ainda preços avulsos que podem abalar o investimento no meio da execução da obra;

— Com menos imprevistos em obra, a qualidade de construção é garantida.

 

  • FASE 5

AUXÍLIO NA SELEÇÃO DO EMPREITEIRO

É nesta fase que o dono de obra consulta vários construtores a apresentar propostas para a execução da obra. Nesta fase, é natural que existam dúvidas de projeto por parte dos empreiteiros e orçamentistas que terão de dedicar bastante tempo a ler um projeto para o qual vão concorrer.

Assim a equipa do projeto de arquitetura e coordenadores deverão prestar o apoio necessário à interpretação de pontos que sejam mais complexos compreender.

O dono de obra poderá ter dificuldade em analisar a capacidade técnica dos empreiteiros, bem como o preço e prazo para a concretização da obra. Assim, torna-se importante haver um apoio para compatibilizar o conjunto de fatores que podem interferir com a empreitada, na fase de seleção do empreiteiro final de execução de obra.

 

Fases de Projeto de Arquitetura Acompanhamento de Obra

  • FASE 6

ASSISTÊNCIA TÉCNICA À EXECUÇÃO DE OBRA

A assistência técnica obra à execução de obra compreende a visita à obra de forma periódica de modo a garantir a correta execução do projeto de arquitetura. Devem ser prestados todos os esclarecimentos necessários sobre as dúvidas de projeto, quer sejam na leitura e interpretação das peças escritas ou desenhadas, quer sejam situações em obra que carecem de coordenação.

Em qualquer momento que haja qualquer tipo de dúvida respeitante à correta execução do projeto e/ou alguma compatibilidade, ou interpretação, deverá ser realizada uma reunião de obra no sentido de esclarecer a situação.

 

  • FASE 7

TELAS FINAIS DE ARQUITETURA

As telas finais de arquitetura são o registo gráfico atualizado das alterações ao projeto aprovado, efetuadas durante a execução da obra e que não são enquadráveis em controlo prévio. Estas alterações ficam representadas nas cores convencionais. Esta fase corresponde ao pedido de autorização, onde mais informação tem de ser entregue para além dos desenhos de arquitetura. Poderá saber mais sobre esta fase do projeto de arquitetura — telas finais.

 

Fases de Projeto de Arquitetura Telas Finais Alterações

VAMOS CONVERSAR SOBRE O SEU PROJETO DE ARQUITETURA ?